O caminho do Everest no Yoga

30 30America/Sao_Paulo julho 30America/Sao_Paulo 2020 0 comments Jayadvaita Categories Artigos

A imensa procura pelo yoga tem crescido alucinadamente nas últimas décadas. Podemos olhar por um prisma positivo, pois despertou a atenção da ciência, da medicina e de pessoas séria, mas também de oportunistas.

Apesar de inúmeras conquistas somadas ao pensamento Ocidental, muito de sua cultura foi deturpada pela mentalidade imediatista do materialismo. Por isto, em meio aos percalços, devemos ter cautela no tipo de yoga que acessamos.

Desde o final do século dezenove tivemos a invasão do que se convencionou por neo-hinduísmo. O que aparentemente não teria qualquer resquício doutrinário veio a comprovar que, por trás do aparato de gurus, mestres de seitas e filosofias, havia um forte apelo religioso.

O objetivo era simples: transposição cultural da mentalidade Ocidental. Uma indianização com valores aparentemente bons, pacíficos e elevados. No entanto, com um discurso popularizado pelo “gandhismo”,  havia a desestabilização espiritual do homem.

Em vez de um conhecimento que somasse à evolução prática dos princípios espirituais e humanos, constatamos a derrocada de valores e propósitos da tradição frente à sociedade moderna. Com um lema muito simples e aprazível: gratidão e paz.

Sempre desconfie do que não lhe sugere confiança

Evite absorver qualquer elemento que sugira uma mudança de vida oposta a que você atualmente vive. Desacate processos de transformação que farão (pelo poder da propaganda) você se tornar uma pessoa melhor. Fuja de fórmulas prontas. Ninguém é igual em circunstâncias fundamentais. Jamais bajule mestres de turbante que tenham nascido em solo tupiniquim.

Pode parecer arrogante expor estas palavras, mas é urgente a necessidade de alerta, pois em meio aos desavisados haverão charlatões promovendo ilusórias façanhas sobrenaturais sob o rótulo de Yoga.

Tendemos a buscar o mais difícil e estimar pelo mais complexo, pois acreditamos que isto nos levará para mais perto dos objetivos profundos que acalentam a alma.

É comum vermos que uma viajem à Índia mudará a consciência dos peregrinos neófitos. Porém, é importante ressaltarmos que a grande conquista do Yoga não é no topo de um ideal externo, mas no pico mais alto de nossa própria superação interior. É ali que está nosso Everest.

Como um espelho que se quebra 

Presenciei pessoas que retornaram da Índia no primeiro vôo após desembarcar na Terra do Conhecimento, simplesmente por acreditar que a jornada se faria numa ideal paisagem ornamentada como um sonho cinematográfico. Grande ilusão. Da mesma forma, vejo pessoas que entram no Yoga com o fugaz desejo de recompensa. Talvez por sua adaptação ou suposta conversão a um ‘novo’ modo de pensar. Quando na verdade o yoga propõe uma melhor forma de olhar o modo como pensamos, e não nos fazer negar o que pensamos.

Em nossos cursos de Yoga, num primeiro momento, é notável a frustração de alunos ao entenderem que não se tornarão pessoas exclusivas, especiais e únicas. O acesso ao Yoga não torna ninguém um Yogi como toque mágico. Porém, pelo fato de terem iniciado estudos e práticas mais bem embasadas do Yoga, compreendem que não são melhores do que outras pessoas, seja por se tornarem veganos ou abdicarem de suas tradições de berço.

Depois da frustração de entenderem que um curso de Yoga não os tornará yogis auto-realizados, surge o conforto de entenderem que yoga não é uma crença positivista hindu. Mas, uma ciência do conhecimento, sem as superficiais definições dadas com base no duelo ocidental versus oriental.

O ser humano é muito mais do que nomenclaturas e estereótipos. Quando eliminamos estes, muito provável que despertemos para o real e verdadeiro Everest interior. Para que, rumo a ele, gradualmente passemos a trilhar a única e irrevogável jornada que habita a interna dimensão de nossa existência.

Portanto, não se aferre ao trajeto, às turbulências e desafios que terás pelo caminho. Foque sua consciência no ápice da jornada, no cume do Everest que está em sua consciência. E saiba que para chegar lá, terás que deixar muitas coberturas daquilo que fizeram você crer sobre você, sobre o mundo e também sobre o Yoga.

Se entendeu a mensagem, seja bem vindo e sigamos a jornada.